TV Globo – PDI – Script

Então pessoal, continuando a comentar os principais softwares que eu efetivamente usei desde que comecei a trabalhar com CGI, em ordem cronológica, cheguei ao Script. Digo principais porque desde o início de meu relacionamento com os computadores, eu sempre usei um monte de softwares, para administração, programação, apoio e etc. Realmente muitos e eu sempre fui muito curioso. Em uma época muito antes da internet era difícil ter acesso a muitos softwares mas eu dei muita sorte de ir para a Globo Computação Gráfica e ter a disposição dezenas deles. Não era simples (barato) ter um bom PC, e muito menos muitos softwares.

Eu e o Bernardo trabalhávamos com os nossos Cubicomp’s na última sala do segundo andar da casa, onde ficavam os PC’s. Nós de um lado e do outro lado da mesa ficavam o Carlinhos “Barão” com um PC AT que o José Dias trouxe dos EUA abarrotado de softwares de todos os tipos e funções, e a Danuza, rodando o Paint System desenvolvido dentro de casa para o Cromenco, que comentei no artigo anterior. Nesta sala também trabalhou o Marcelo Póvoa. Era bacana, confortável, bem equipada, com um banheiro muito bom, era uma suíte originalmente. Mas tinha um “quê” de segunda linha, pois a grande atração da GCG era o Script que rodava em Unix no VAX e Ridges do térreo e espalhado em terminais VT 100 pela casa toda.

Ao chegar na CGC dei-me com uma instalação inacabada de rede Ethernet. Não lembro porque as coisas não estavam ligadas e funcionando, mas o fato é que as placas, cabos, softwares e conectores estavam todos lá, mas sem instalar e configurar. Não era o meu trabalho, mas enchi o saco do Sérgio Fiúza e do Franco Lizzi para me ajudarem a colocar isto de pé. Eu estava procurando 3 coisas que eram: 1 – conseguir mais espaço em disco para os PC’s Cubicomp. Cada um tinha apenas 20 Mb de HD e os “imensos” discos removíveis dos VAX tinham a ENORMIDADE de 480 Mb de espaço em cada set. Os set de discos eram removíveis, uma doideira e se não me engano tínhamos 2 conjuntos de discos para usar. 2 – Ligar um Cubicomp no outro! Sim, pois antes da rede funcionar, através de TCP-IP bem cru, para transferir arquivos de um PC para o outro só podíamos usar discos flexíveis de 5 1/4 com capacidade de 1.2 Mb cada disco! E davam erro demais. 3 – Estudar UNIX e ir cavando uma oportunidade para trabalhar no sistema principal, onde inclusive o salário era maior.

Lá já estavam a Lucia Modesto, o Roberto Shimose, o Eduardo Halfen, o Alexandre Sadcovitz, a Tita, o Silvio. E mais, Rogerio Ponce, Toni Cid, Sonia Barbosa, Claudia, Carlos São Paulo, Jonas Gomes e Luiz Velho. Uma equipe de respeito. O Silvio saiu e eu escorreguei para o lugar dele.

Roberto Shimose e um terminal VT 100

Tive uma curva de aprendizagem relativamente rápida, pois já sentei no terminal sabendo duas coisas muito importantes que eram os comandos básicos do UNIX e, mais importante, sabendo usar o Vi, o editor de texto que usávamos para absolutamente tudo do Script. Peguei esta manha escrevendo os arquivos .bat e shell’s para ligar os PC’s nos VAX, usando um VI para DOS que veio lá naquele PC que disse acima. E o VI do UNIX.

Todo o sistema do Script não tinha uma única interface gráfica. Da modelagem ao render, tudo era realizado editando arquivos de texto que eram usados como fontes para processamentos e compilações que lá no final resultavam em uma imagem de TV.

A modelagem era feita programando-se primitivas básicas em arquivos de texto, ou processando arquivos de pontos capturados nos tablets, que depois eram usados como entrada de outros programas que os manipulavam para extrudar, girar, deformar e etc. Tudo na tela de fósforo verde do VT 100, tudo letrinha e “numeroszinhos”, gerando arquivos de saída em texto, que por sua vez iam sendo usados como resultados para finalmente rodar um gera-frames que ia fazendo o render frame a frame das animações.

Com o arquivo de imagem pronto no HD, usávamos o comando RI, Read Image, para escrever esta imagem no frame buffer e aí sim ver a imagem. E depois editar frame a frame em um VT.

Imagem muito boa, diga-se de passagem. Um antialiasing animal até hoje, e para a época, um shader muito bem feito, com a luz 3D espalhando-se sobre as superfícies com muita qualidade. Era trabalhoso, era demorado, era limitado, mas qualquer coisa que funcionasse no Script, ficava bonito e bem feito.

Uma pena que não achei nenhuma imagem da tela do sistema, mas não tem muito para ver, texto apenas.

Não vou re-escrever o que já está escrito sobre o Script, PDI e TV Globo. Está tudo nos links que disponibilizo abaixo. Os caras eram muito bons, leiam abaixo:

 

Richard Chuang, Glenn Entis e Carl Rosendahl

 

6.7 Pacific Data Images (PDI)

José Dias

http://memoriaglobo.globo.com/perfis/talentos/jose-dias/trajetoria.htm

O Fim da PDI 🙁

Dávamos um duro danado tentando fazer as imagens nas cores que o Hans Donner queria, com os movimentos e cortes que o Nilton Nunes imaginava, com a precisão que a Ruth Reis exigia, no tempo que o Script permitia…

Ruth Reis e Hans Donner. Eu também estava aí e neste job conhecemos o Capy Ramazzina. Abertura de TiTiTi.

 

O primeiro trabalho importante que caiu na minha mão foi refazer a abertura do Jornal Nacional usando o novo render e novas ferramentas que a evolução do Script permitiram. A primeira versão tinha sido realizada nos EUA diretamente pelo Glenn Entis e Richard Chuang. O que parecia ser um job moleza e perfeito para o mais inexperiente da equipe, revelou-se mais difícil e chato do que parecia. Como sempre, recuperar backups é um inferno e as pequenas mudanças em tudo tornaram necessário fazer de novo, com as novas ferramentas e softwares. Quem mais me ajudou foi o Luiz Velho, e o trabalho foi um sucesso, ficando anos no ar.

Não tive muitas outras oportunidades porque logo depois sofri um acidente de moto e fiquei 1 ano inteirinho de molho em casa me recuperando. Após voltar peguei um projeto de fazer um Fórmula 1, uma modelagem incrivelmente desafiadora para as ferramentas disponíveis e logo após eu saí da empresa para montar a minha própria produtora.

A história do Script é incrível, com pessoas incríveis. Foi uma época marcante, com resultados sensacionais. Uma maneira de fazer computação gráfica que apenas os pioneiros puderam experimentar. Foi um barato ter participado deste momento, com estas pessoas e depois poder dizer que fui também um pioneiro.

Para usar o Script e o Cubicomp também, tive que aprender uma série de  fundamentos e a editar muitos arquivos, algo que não se distancia muito da programação. Uso o Vi com constância até hoje e foi uma escola sensacional.

Vejam abaixo trabalhos realizados com o Script.

Não sei dizer quantas das vinhetas da Globo abaixo foram feitas com o Script, mas com certeza a maioria das feitas em computação.

Espero que estejam curtido, depois continuo, afinal neste ponto aí ainda estou em 1987. Procurei fotos da equipe aqui na Internet, mas não achei. Fotos legais tem no livro do Hans Donner.

Mário Barreto

 

Deixe uma resposta