Archive for Atendimento e Publicidade

MATADOR, ADVANCE, FLINT

Então… continuando depois de uma pausa com muito trabalho, com os textos sobre a evolução cronológica dos softwares e equipamentos que usei até hoje.

A produtora perdeu dois sócios, Sérgio Fiúza que foi para a Globosat e Alexandre Sadcovitz que foi para a TV Globo.  Continuamos eu e o Thomas Wilson e resolvemos dar o próximo passo que foi comprar Silicon Graphics, Betacam Digital e softwares high-end para rodas nestas máquinas.

Nós já frequentávamos NABs e Siggraphs, de onde voltávamos cheios de gás e com vontade de comprar tudo. Tudo não dava, mas o Thomas conseguiu um crédito e de uma tacada só investimos meio milhão de dólares para um pacote que incluia as máquinas, os softwares, os acessórios, a nova sala, a instalação e até uns anúncios no Meio&Mensagem. Mandamos bala!!!!

Para as máquinas de vídeo Sony convocamos Marcos Sarubbi e Padilha! Grande Padilha. E para os computadores e softwares compramos com o Flávio Bahia. Ah! Compramos também um Abekas Diskus, um DDR com incríveis 1 minutos de vídeo digital em SD… e que custou os olhos da cara. Este compramos com o Guilherme.

Fora a demora com a carta de crédito com com a CACEX, vocês não imaginam a burocracia que era nesta época, tudo estava indo bem até que rolou uma super greve em Campinas e parte dos equipamentos ficou no pátio, na chuva, em Viracopos por semanas. Este sempre foi o custo Brasil…

Parallax Matador Interface

Escolhemos comprar Parallax Matador e Advance. Vimos um demo na NAB e ficamos loucos com as capacidades dos softwares. O Matador era utilizado pela ILM e foi a primeira vez que vi um motion track funcionando. Era coisa do demônio. O demo era colocar um brinco na orelha de uma modelo, seguindo o furo da orelha e o resultado era de deixar babando. O Matador era muito capaz e completo, fazia absolutamente tudo e foi uma ferramenta incrível.

O Advance já veio um pouco cru, mas rapidamente evoluiu e virou a minha ferramenta de composição preferida até hoje. Ele trouxe ao mundo este esquema de editar em árvores e era uma delícia de usar. Tudo nele era mais fácil de usar do que no Flint/Flame/Inferno. Usei até não aguentar mais e vender as SGI. Tenho saudade dele e nenhum outro software, mesmo os parecidos, conseguiram ocupar o seu lugar no meu coração.

Advance – Media Illusion

Começaram rodando na Indigo 2 Extreme e depois passamos eles por Indy, O2 e Octanes. Deu confusão porque o representante brasileiro não passou o pagamento aos ingleses da Parallax e então o Flavio Longoni ficava tendo que trocar licenças todo mês. Um saco e injusto, pois todos sabiam que havíamos pago. O Flavio Bahia explicou que a greve acabou com o seu fluxo de caixa mas não adiantou. Sendo assim, ele ofereceu a troca de tudo por um Discreet Logic Flint, com dongle, sem esta coisa de licença expirar! Topamos e tivemos o primeiro Flint da AL, rodando lá na Torre do Rio Sul. Preço? 60K doláres. Eita!

Perdendo o cliente a Parallax fez uma oferta imbatível para ficarmos com o Matador e Illusion operando e compramos outra Silicon para eles. Ainda bem, eu sempre gostei mais deles do que do Flint. Quem nos suportava no Flint/SGI? Carlos Tibúrcio, Mônica, Francisco Lima, Geraldo, Sônia Barbosa.

O problema é que a Discreeet era uma powerhouse perto da Parallax. O Flint era mais caro, exigia uma máquina mais cara mas  rodava muito redondo. O softwares da Parallax eram menos exigentes e acabavam dando mais pau. Tinham muito mais engenheiros trabalhando no Flint do que no Advance de modo que ele era menos sólido. Venderam tudo para a Avid, que renomeou o Advance para Avid Media illusion.

Deste conhecimento nasceram o Shake, o Combustion, o Avid XSI

O Thomas tem ainda o Flint e eu talvez consiga colocar ele para rodar ainda, se a Indigo ligar.

Muitos profissionais trabalharam comigo nestas máquinas, Ute Volmman, Daniella Amaral, Paulo Galvão, Líbero Saporetti, Levi Luz e outros. Ganhamos muitos prêmios, até internacionais.

Neste início a edição digital não era tão integrada com a composição digital, simplesmente porque as máquinas não tinham muitos minutos em real time.

E para ter algum realtime tínhamos que montar Arrays em SCSI3 e só quem passou pelo terror destes cabos e conectores sabe a meleca que isso é. E colocar SGI Galileo em genlock, outra batalha que vencemos.

Vejam um demo da época:

Uma época muito boa, com muitos trabalhos. No atendimento da produtora nesta época tivemos Mosana Marins, Mario Nakamura e finalmente a Karina Rei que hoje é minha sócia aqui na Imagina. Nestes áureos tempos a produtora chegou a ter mais de 30 funcionários e fazíamos uma média de 12 jobs por mês. Bem pagos jobs por mês. É, era uma beleza.

to be continued…
Mário Barreto

Imagina no Rio2C

Estamos presentes e e atuando no maior festival e congresso de conteúdo da América Latina, o Rio Content Marketing. Este ano o evento foi englobado pelo Rio2C, ainda maior, que procura atrair mais público com a inclusão de música, inovação, VR, games e tecnologias interativas.

Muito bom e proveitoso. Até domingo.

 

No Credenciamento do Festival

Com Adolfo Rosenthal e Marquinhos

Com Mário Nakamura e James Darcy

Filme Institucional Quest | LABET – Inauguração

Como viram em um post anterior, produzimos um filme institucional para a apresentação de lançamento do novo Laboratório Quest | LABET em Santana de Parnaíba. O mais moderno do mundo e o maior da América Latina.

Na sequência comparecemos ao evento e produzimos mais um vídeo institucional, documentando a festa e capturando entrevistas com as autoridades presentes.

Os dois vídeos são um sucesso! O nosso obrigado para todos os envolvidos.

Quest | LABET

Nosso Cliente LABET associou-se a Quest Diagnostics e juntos criaram o maior laboratório da América Latina para a realização de Exames Toxicológicos de Larga Janela de Detecção. E também o mais moderno do mundo.

Para a ocasião da inauguração desta incrível instalação, realizamos um filme institucional de 9 minutos de duração, com entrevistas e depoimentos de seus diretores, sócios e colaboradores. Adoramos o desafio!

Crystal TOPAS

Trabalhar na Globograph era bom, era ótimo. Mas tinha limitações evidentes. Tínhamos salário razoável, a equipe era grande, o software proprietário, e isso tudo eram impedimentos para o progresso rápido que queríamos em liberdade, grana e tecnologia. Com o lançamento da Placa AT&T TARGA, dos primeiros PC’s 386, dos primeiros softwares relativamente acessíveis, vimos aí uma oportunidade para crescer.

O primeiro passo foi comprar um PC, uma TARGA 16 Bits e um TOPAS.

Targa+

 

O Topas foi desenvolvido pela Crystal e vendido também pela AT&T como parceiro da TARGA. Era o kit, TARGA + TOPAS +  que era o paint system derivado do True Color Paint que falei em artigo anterior. Um sucesso.

Eu, já na Torre do Rio Sul, mas usando Crystal

O primeiro TOPAS que tivemos, versão 2 ponto alguma coisa, era um lixo completo e quando a primeira versão usável apareceu, 3 ponto alguma coisa, nós escolhemos usar o original, o Crystal e não o TOPAS. Eles eram iguais em features e a diferença era que o TOPAS rodava inteiramente na placa TARGA, no monitor RGB. A interface com o usuário era diferente, e para mim, pior. O Crystal, dividindo a interface em dois monitores, parte na tela CGA e apenas a imagem de TV no monitor RGB, era mais parecido com o Cubicomp, com o Script e a tela CGA mantinha mais informação disponível ao mesmo tempo. Era muito melhor, mas poucos usavam Crystal, a imensa maioria usava o TOPAS que era mais conhecido e vendido em bundle com a placa.

Nesta época tudo era problema. Ainda estávamos na reserva de mercado, então o PC era uma porcaria nacional montado com placas bem vagabundas e caras, em um gabinete horroroso. A Targa e o Tablet Summagraphics foram trazidos em uma viagem por um amigo e o monitor RGB foi fabricado in-house pelo Sérgio Fiúza, modificando uma TV Phillips caseira. Começamos logo esbanjando memória, 8 Mb de RAM, um luxo.

Funcionava bem. O sistema era mais moderno do que o Cubicomp que eu usei, o Picture Maker 30. Era otimizado, render rápido, poucas funções mas tudo o que tinha funcionava bem e com segurança. Era menos aberto em conceito, não tínhamos muito como torturar o sistema para obrigar ele a fazer o que queríamos, ele não tinha muitas portas para isso.

Nesta época, do 5.1, já estávamos migrando para o 3D Studio. Mas vejam como o preço caiu.

Tudo era ruim no sistema, o render vagabundo, a animação difícil de controlar pois ele só respeitava os keyframes iniciais e finais, sendo que os intermediários eram usados como pontos de controle. Mas era um ruim que nos ajudava, pois tendo experiência e sabendo identificar uma imagem ruim e uma animação ruim, conseguíamos atuar para minimizar.

O Cassiopéia foi realizado em TOPAS e eu treinei parte da equipe.

Logo a produtora cresceu e tivemos que comprar mais TARGA’s e aprender uma maneira de duplicar os softwares!! Antes do 3D Studio, cada estação tinha que ter seu frame buffer. Compramos a evolução da TARGA, a TARGA+ e o Sérgio Fiúza e o Alexandre Sadcovitz vieram para assumir estas estações. Junto com o Thomas Wilson a equipe ficou finalmente completa.

Ainda não existia uma rede boa, e no início usávamos cabos centronics paralelos com Laplink para ligar os computadores e transferir arquivos!, e patchs de video para ligar na novíssima Sony BVU-950, controlada por um controlador que o Sérgio construiu. Ainda não usávamos um Encoder, usávamos a saída de composto podre da própria TARGA.

Nossa expertise de TV Globo fez MUITA diferença neste início. Esta instalação, junto com o pacote QFX do Ron Scott, nos permitia fazer coisas que os demais usuários de TOPAS nem sonhavam. Isso nos permitiu crescer bastante e rápido na publicidade.

Para TV, nosso primeiro trabalho grande foi para a TV Manchete, umas vinhetas criadas pelo Adolfo Rosenthal e o Toni Cid Guimarães, os dois também ex-Globo. Lembro que como não tínhamos máquinas de 1 polegada, a TV Manchete levou lá uma BVH-500… vou te contar… ficou pior do que a nossa U-Matic, que era completa e tinha o Board TBC e TC.

O Crystal nos serviu até o advento do 3D Studio, que rompeu barreiras técnicas e marcou uma nova era para os estúdios, mas isso fica para o próximo post.

Como sempre, espero que estejam gostando.

Mário Barreto.